quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Sin ganas de na'


Hoje, faltam-me as palavras. E, quando é assim, a música chega-me... Pode ser esta:


Ou esta:


Ou...

Ou...
Ou...

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Cidades com alma





Tenho, na minha vida, pessoas e lugares que me são essenciais, porque amo cada um de uma forma distinta dos demais, e porque encontro em todas(os) singularidades que as(os) tornam únicas(os) e me enriquecem, encantam, tornam mais feliz.
As cidades são um pouco como as pessoas: às vezes enamoram-nos ao primeiro olhar; e depois, aos poucos, vã-se-nos revelando, podendo o tempo confirmar o arrebatamento inicial, ou  mostrarem-se, afinal, decepcionantes. 
Pude, há dias, acrescentar à minha lista mais uma cidade maravilhosamente complexa, que não esconde as suas feridas e consegue, ainda assim, para lá das cicatrizes, ter qualquer coisa que nos toca e que é uma forma muito própria de existir, exuberante e discreta, próxima e distante, dinâmica e sossegada.
Volto de Berlim fascinada com o nosso primeiro encontro, de alma cheia, agradavelmente surpreendida e com vontade de um dia voltar, para confirmar este apego e deixar-me seduzir como eu gosto, assim, devagar...

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Filmes de férias


"A fabulosa Gilly Hopkins" (The Great Gilly Hopkins no original - por uma vez um título traduzido à letra) é um daqueles filmes que sem ser extraordinário, acaba por revelar-se uma agradável surpresa. 
Face à escassa oferta de alguma coisinha de jeito em período estival, achei que um filme que incluía no elenco Glenn Close poderia ser uma boa aposta. Não me enganei. 
A actriz principal, soube-o depois, afinal também era uma "velha" conhecida minha: Sophie Nélisse, que eu vira bem mais nova no fantástico Monsieur Lazhar, há três ou quatro anos.
A história é relativamente banal e trata sobretudo do que, de uma forma ou de outra, já todos sentimos: que no que nos liga aos outros, no domínio dos afectos, nem sempre os laços de sangue são os mais consistentes e profundos.
Claro que o filme apela fortemente ao sentimento, mas na verdade consegue em simultâneo divertir-nos e comover-nos, porque é um filme acima de tudo enternecedor, e porque há em Sophie Nélisse aquele não sei quê de que só os grandes actores são feitos, que nos envolve, e nos agarra à personagem e à história. Vale a pena ver...

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Comédias de Verão


Este é um daqueles filmes de "usar e deitar fora", mesmo típico da silly season, mas que ainda assim nos fazem passar duas horas divertidas e dar umas boas gargalhadas, o que combina muito bem com os dias despreocupados e pachorrentos do mês de Agosto. E, além disso, é falado em francês, o que para mim, que adoro esta língua, é sempre um extra muito positivo.
De resto, "sous le même toit" é a história banal de um casal que apesar do divórcio se vê forçado a partilhar o mesmo espaço por razões económicas, acima de tudo, o que origina as mais hilariantes situações, com Gilles Lelouch como palhaço de serviço. Vê-se bem, mas é só isso...

domingo, 23 de julho de 2017

A evitar


Entre as minhas preferências cinematográficas, já se sabe, o cinema francês ocupa um lugar de destaque. Mas isso não quer naturalmente dizer que goste de tudo, porque não é a origem do filme que é garantia de qualidade. Nem os realizadores, ou os actores, sequer. A prova disso é o último filme que vi, Sage femme no original, que na verdade quer dizer "parteira", mas em português ganhou um título totalmente distinto: "Duas mulheres um encontro".
De um realizador que desconheço, Martin Provost, o filme conta com duas interpretações de peso, Catherine Frot e sobretudo Catherine Deneuve, uma verdadeira diva, não apenas do cinema mas também da cultura francesa. A sua presença, pensava eu, chegaria para tornar interessante qualquer filme. Enganei-me. Catherine Deneuve tem sempre qualquer coisa que nos toca, ma este é um filme  pesado, longo e, acima de tudo, muito maçador. Vivamente desaconselhável, digo eu...

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Diferenças


Em Paris não se chega a esperar cinco minutos por um transporte público. As pessoas não andam todas agarradas aos telemóveis, alheias ao que se passa à sua volta. No metro, por exemplo, há muita gente a ler, ou simplesmente a olhar, sem fazer nada. Não há cães à solta, nem gente a passear cães por todo o lado, nem cócó de cão nos passeios e nos jardins. Há quem ande de bicicleta, claro, mas não há a paranóia das ciclovias.
Serão estas e tantas outras diferenças que distinguem o mundo civilizado do nosso. E será não apenas por causa de tudo isto, mas também por coisas destas que eu gosto tanto desta cidade.