domingo, 10 de setembro de 2017

Corações ao alto









Foi a segunda vez que vi e ouvi Salvador Sobral ao vivo. A primeira, há dois meses, impressionara-me bastante. Mas agora foi tão forte e tão fundo o que senti(mos) que tive que esperar quase dois dias para conseguir dizer alguma coisa sobre aquela noite tão bonita. 
Porque Salvador Sobral tem esse dom especial de cantar com a voz e o corpo todo, numa inigualável entrega de corpo e alma a que ninguém pode ficar indiferente. É como se cada instante fosse sempre o primeiro e o último, momento único e irrepetível, na sua imensa singularidade. E com a voz excepcional que Deus lhe deu, a sua capacidade interpretativa e a companhia de excelentes músicos (Júlio Resende, André Rosinha e Bruno Pedroso) consegue(m) fazer de cada encontro, de cada concerto, uma experiência avassaladora, da qual se sai outra pessoa, pelo poder encantatório da música, que ampara, aconchega e aproxima os corações.
Mas este concerto do Estoril foi ainda mais especial e mais bonito que todos os outros. Havia o cenário entre céu e mar; as circunstâncias e os corações brancos erguidos no ar, símbolo(s) de esperança, de afecto e de cumplicidade. A noite estava fria, mas ninguém dava por isso. Havia um nó na garganta de todos. E houve lágrimas e risos, palmas e abraços; e a força de quem se quer bem sem precisar de o dizer em palavras. E, naturalmente, houve muita, muita música. Da boa. 
Por isso, este foi o concerto de todas as emoções. Por isso, naquele abraço apertado que a Luísa deu ao Salvador estava o abraço de todos nós. O amor que, como ele disse, leva consigo "numa caixinha figurativa". É que, quando tudo parece desmoronar-se, sobra o amor. É ele que nos salva. Seja de que tipo for. E foi, também, ou mesmo acima de tudo de amor que se fez aquela festa. 
Vai correr tudo bem... Até já, Salvador.


2 comentários:

  1. Ana M. Ribeiro Gonçalves10 de setembro de 2017 às 20:57

    Penso que reproduz muito bem o sentimento de todos os que estiveram e dos que gostariam de ter estado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Ana. É essa a ideia. Estamos todos juntos e com o Salvador :)

      Eliminar